Dizimando a última linha de defesa

Enquanto os impactos da mudança climática alarmam o mundo, os indígenas – líderes ambientais e guardiões naturais da biodiversidade-, são assassinados em crimes de mando

Por Ludmilla Duarte*

[email protected]

As comunidades indígenas ou tradicionais perfazem 5% de toda a população do planeta, mas é na porção minoritária de terras por elas habitadas que hoje sobrevive 80% da biodiversidade que ainda resta à humanidade. O dado é do Forum Permanente das Nações Unidas para Questões Indígenas – e essa nem é a estatística mais impactante envolvendo os povos detentores do maior volume de conhecimento e de práticas aplicadas à preservação dos ecossistemas.

Num momento em que os impactos da mudança climática alarmam o mundo e especialistas ilustrados tentam encontrar alternativas que garantam oxigênio para as gerações futuras, esses guardiões da natureza são o maior percentual de ativistas dizimados a bala: mais de um terço dos homicídios de líderes ambientais têm indígenas como vítimas; eles foram alvos de cinco em cada sete assassinatos em massa; três em cada quatro ataques estão nas Américas – onde Colômbia, México e Brasil, nesta ordem, lideram a estatística em números absolutos.

Os dados foram repisados por Jago Wadley, senior campaigner da ONG Global Witness (que produz o relatório desde 2012) durante o Green Tent (ou Tenda Verde), evento paralelo à 5ª Assembleia da ONU para o Meio Ambiente, em Nairobi. Em 2020, foram 227 defensores do meio ambiente assassinados no mundo; de 2012 a 2020 foram 1.540, com o Brasil registrando o maior número: 317 vítimas.

 É pelas mãos das atividades econômicas mais nocivas ao ecossistema que a violência é perpetrada. Segundo a Global Witness, 286 dos homicídios rastreados em oito anos estão ligados às indústrias mineradora e extrativista, 151 ao agronegócio e 148 às madeireiras.

A região mais violenta para ativistas ambientais tampouco possui um instrumento internacional juridicamente vinculante como a Convenção de Aarhus, firmada no âmbito da Comissão Econômica da ONU para a Europa, que conecta direitos humanos e ambientais ao mesmo tempo em que encarrega os Governos da responsabilidade por proteger não só o meio ambiente mas também os seus defensores. Ela vai na jugular da relação entre povos e governos.   

Relator Especial da ONU para Direitos Humanos e Meio Ambiente, David Boyd recitou aos países uma cartilha de enfrentamento à violência contra os ecoativistas: ênfase no cumprimento dos direitos nacionais e internacionais, reconhecimento dos títulos de terra aos povos tradicionais, consentimento prévio informado dessas populações para qualquer atividade econômica em suas áreas, substituição das práticas agrícolas nocivas por Agroecologia. 

Apesar disso, o evento global pareceu deixar sem resposta a pergunta-chave contida em seu título: “Como assegurar que os defensores do meio ambiente possam cumprir seu papel livremente e em segurança”.

*Ludmilla Duarte é Jornalista, Especialista em Direitos Humanos, mestre em Política Pública e Administração pela Adler University (Vancouver, Canadá) e doutoranda em Política Ambiental na Universidade de Nairobi (Quênia).

  • Este artigo foi publicado no jornal A Tarde no dia 02 de março de 2022
3 1 Voto
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

Comente, pergunte ou sugira um tópico para nosso blog.

Artigos

Dia dos Advogados, poder da palavra, escuta empática e o Estado Democrático de Direito

É papel da Advocacia combater os ataques ao Estado Democrático de Direto. São intoleráveis as ameaças aos demais poderes e setores da sociedade civil e a incitação à violência e à ruptura da ordem constitucional.

Proteção à mulher

Enfrentar a violência contra mulheres no contexto das mudanças climáticas é preciso

Neste Agosto Lilás, entenda por quê os desastres ambientais e o escasseamento dos recursos naturais atingem mulheres e meninas com mais força e acentuam a violência de gênero

Direito Ambiental

Zelar por uma floresta é possível, prova o Canadá

Com 94% de áreas florestais sob gestão pública, os regulamentos e políticas exigem planejamento do uso da terra, respeito aos aborígenes, proteção do habitat da vida selvagem, disciplina na colheita de madeira e reflorestamento

0
Qual sua opinião sobre o assunto? por favor, comente.x