Mirem-se no exemplo das mulheres de Ruanda

A tarefa de reconstruir o país após o genocídio da população masculina em 1994 restou às mulheres de Ruanda, que atualmente ocupam destaque nos espaços políticos e econômicos e desfrutam de igualdade de gênero numa taxa muito superior à brasileira
Ruanda é hoje o líder mundial de promoção da igualdade de gênero

Na esteira do massacre que matou cerca de 1 milhão de ruandeses em 1994, pôs outros 2 milhões no exílio e reduziu a população masculina a 30%, as mulheres de Ruanda romperam as amarras do patriarcalismo, da representatividade política nula e da submissão econômica para reconstruir o país.

 Ruanda é hoje o líder mundial de promoção da igualdade de gênero: dados da Inter-Parliamentary Union em 2019 mostram que elas ocupam 61,3% dos assentos no parlamento (no Brasil, seguimos empacadas em 15%) e atingiram paridade nos gabinetes do Executivo, onde elas são 50%.

Enquanto Ruanda ainda limpava o sangue dos Tutsi, as mulheres entenderam que era hora de cumprir as funções até ali reservadas aos membros masculinos da sociedade. Reunidas em grupos de pressão, as viúvas brigaram primeiro pelo direito à propriedade da terra nesse país que tem uma densidade populacional média de 300 pessoas por km² e 91% da população dependente da agricultura para subsistência.

Com isso, inauguraram uma legislação ambiental ecofeminista: em Ruanda, somente os integrantes masculinos da família podiam ficar a cargo da terra. Hoje, as solteiras têm 24% de toda a terra contra 14% dos solteiros (os casais têm 58,3%).

E mulheres no controle da terra faz todo sentido. As evidências coletadas pela Organização para a Alimentação e Agricultura das Nações Unidas (FAO) mostram que a garantia da posse da terra para mulheres está associada a níveis mais elevados de investimento e produtividade na agricultura, maior renda e bem-estar social. Isso inclui maior poder de barganha nos níveis familiar e comunitário, melhor nutrição infantil e níveis mais baixos de violência de gênero.

De acordo com a ONU Mulheres, menos de 20% dos donos de terras no mundo são mulheres. Inversamente, afirma a UN WomenWatch, as agricultoras respondem por 45-80% da produção de alimentos nos países em desenvolvimento (o percentual varia por região).

Desde o início dos anos 2000, Ruanda testemunhou boom econômico e alta no padrão de vida dos ruandeses. Em 2019, a agricultura representava 29% da economia, com o café e o chá liderando a produção.

Mais: ao adotar uma jurisprudência feminista e colocar as mulheres no controle da terra, o país escreve lição sobre sustentabilidade em um momento crítico para o meio ambiente. Pesquisa feita em uma área piloto detectou que as mulheres dobraram os investimentos na preservação do solo, e que elas iniciam ou mantêm investimentos em diques, terraços e barragens mais frequentemente que os homens.

No Brasil, onde a estrutura de propriedade da terra segue intacta há 500 anos e 1% dos proprietários controlam 45% do nosso solo (e seus recursos), a reforma agrária já tarda. Mas, quando vier, que se espelhe no exemplo das mulheres de Ruanda.

0 0 Votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

Comente, pergunte ou sugira um tópico para nosso blog.

Artigos

Dia dos Advogados, poder da palavra, escuta empática e o Estado Democrático de Direito

É papel da Advocacia combater os ataques ao Estado Democrático de Direto. São intoleráveis as ameaças aos demais poderes e setores da sociedade civil e a incitação à violência e à ruptura da ordem constitucional.

Proteção à mulher

Enfrentar a violência contra mulheres no contexto das mudanças climáticas é preciso

Neste Agosto Lilás, entenda por quê os desastres ambientais e o escasseamento dos recursos naturais atingem mulheres e meninas com mais força e acentuam a violência de gênero

Direito Ambiental

Zelar por uma floresta é possível, prova o Canadá

Com 94% de áreas florestais sob gestão pública, os regulamentos e políticas exigem planejamento do uso da terra, respeito aos aborígenes, proteção do habitat da vida selvagem, disciplina na colheita de madeira e reflorestamento

0
Qual sua opinião sobre o assunto? por favor, comente.x